quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Tereza

Posso descrevê-la,
com toda clareza...
Pois sinto a pureza da tua alma...
A sintonia que inspira o concerto dos poetas...
Que horas são paixão e outras choram 
a desilusão inesperada...
Amiga amada!
Não existe distância que destrua a afinidade nem
maldade que impeça o " amor" de florescer...
A amizade é o melhor presente que a vida nos dá... Renata Saturnino.
Dedico esse poema a minha querida amiga: Tereza Lenza...

domingo, 27 de maio de 2012

Experiência:

O tempo é o alimento.
As vezes é palavra...
As vezes é silêncio...
As vezes é ternura...
As vezes é desprezo...
As vezes é noite...
As vezes é dia:
Decepções e alegrias.
Fiel ou inconseqüente?
De repente tudo vira história.
Memórias do segundo que se eterniza.
Razões perdidas, lágrimas caídas.
Amores imperfeitos...
Paixões assumidas...
Segredos revelados...
Sonhos quebrados...
Essa é a experiência!
O centro de tudo que aprendemos,
plantamos e colhemos.
O que ontem não era nada, hoje é muito menos.
Assim é a vida mostrando sua irreverência.
Seja contemplando o céu estrelado ou
apenas deitado na cama fria.
A poesia se harmoniza nesse enredo.
Que as vezes é coragem...
E as vezes é medo...
Seja doce como mel ou amargo como fel;
O que não mata?
São experiências!
Diante do infinito?
Cada registro é único e verdadeiro.
Não existe mentira capaz de encobrir as verdades
que a vida nos ensina... Renata Saturnino.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Deveras, desvenda o desgosto.

Enxuga o rosto.
Cujo esboço: está longe da perfeição.
A lagrima molha o chão;
onde a desilusão encontra-se desolada.
Ninguém pára essa enxurrada.
O que desaba são palavras:
Lançadas ao vento.
Reféns do silêncio que vem de dentro.
Que joga o sentimento, no olho do furacão.
Neste caminho absoleto?
O relento da madrugada termina.
A luz da lamparina já se apagou.
O véu se rasgou...
O espelho quebrou.
O dia raiou...
O que restou?
Apenas versos..
Retrocessos de um “sim” que hoje é “não”.
Reflexão da canção, cujo refrão não desejo repetir.
Porque aqui dentro, algo mudou... Renata Saturnino

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Primeira Pessoa.

Quero ter alguém do lado,
sem ser refém da minha própria ausência.
Dar gargalhada sem ser recriminada.
Respirar o silêncio imprimindo a palavra.
Ser poeta sem hora marcada.
Ser lembrada, quando não estiver mais aqui.
Quero resgatar a infância.
Libertar a criança;
Sem explicações.
Dar vida a emoções acumuladas.
Guardadas na gaveta do armário.
Quero viver o cenário de um grande amor.
Sentir o calor de uma nova vida;
Mais polida e sem dor.
Com mais ação e menos ilusão..
Na proporção que o sentimento se abre.
Invade espaços a serem conquistados.
Idealizados na trajetória que me faz refletir...
Sentir o que muitos despresam... "O AMOR". Renata Saturnino

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Magoar o ser amado.

É como enfrentar um dia nublado.
Sentir o ar carregado...
Viver isolado do mundo.
Cair no abismo profundo;
correndo o risco de não se encontrar.
É como se tudo estivesse errado:
Sentimentos revirados, sonhos quebrados,
emoções sofridas, iluções perdidas.
A lágrima caída?
Dói mais em quem colhe, do em quem planta...
Quem ama não entristece...
Enaltece o ser amado.
Senta do lado.
Segura a mão.
Abre o coração.
Cria poesia.
Morre de alegria,
Supera a raiva.
Quem ama?
Simplesmente perdoa.
Como verbalizar esse dicionário com tantos significados?
Perto ou longe?
Basta apenas uma palavra.
Pra feição mudar...
O coração saltar...
A mão esfriar...
O olho brilhar...
O choro cessar...
Amar?
É estar longe amando igual ou mais do que se estivesse perto.
Mesmo que o coração sofra e a esperança se cale.
Não há nada que supere essa sensação.
Amar?
É estar mudo se afogando em palavras.
Olhar pro nada pensando em tudo.
Tudo?
Que leve até ao ser amado.
Porque o amor é assim:
Essência divina.
Obra prima do: sentir, querer, desejar,
aceitar erros, guardar segredos, superar medos.
É desejar o melhor, sem dó, nem piedade.
Não existe dor nem rancor que não seja superado.
O amor revela o caráter de Deus .
Que ao doar “O SEU”, concebeu a essência de tudo
que mais desejamos na vida.
Essa é a magia idealizada pelos poetas.
Que mesmo solitários vivem a plenitude: do amor... Renata Saturnino







terça-feira, 17 de abril de 2012

Quando a dor transborda...

Sobrepõem o amor...
A paixão sem validade.
Sem rótulo e nem maquiagem.
Essa é a realidade do poeta:
Nú diante do sentimento de alerta.
Que aquece, aperta e machuca...
Rebelde, maluco , intelectual, anormal...
Este ser transcendental: precisa apenas verbalizar
 emoções, provocar sensações, plantar lágrimas, criar rimas.
Essa é a cina desse amante a moda antiga:
Plantônico, anônimo, isolado, solitário.
O que importa?
A expressão é o que move o coração do poeta.
Meu amor? Eres a vida, que da vida a este ser.
Continuo vagando.

Em cada canto espero te ver.
Essa fortaleza quase inabalável,
busca de forma incansável por ti.
De quem é este poema?
Meu? Seu?
De todos aqueles que acreditam no amor.
Sem rancor, mágoa ou mentira.
Quem gosta, vive da certeza:
De amar, respeitar,
vibrar com a chegada,
sofrer com a partida.
Querido. Preciso te ver sorrindo.
Cumprindo o destino que nos trouxe até aqui.
Essa é a aliança.
A herança do presente, contrastando com o futuro
incerto, mas repleto de sonhos.
Venha me resgatar.
Alegrar o meu dia.
O mundo lá fora desaba!
Mas aqui dentro? Sou eu e você!
Se vamos sobreviver, quem saberá?
Mas quero que entenda?
Que o amor não é sinônimo da perfeição, mas é a razão:
Da própria existencia.
Vivo uma "era" sem poesia.
Mas jamais sem amor... Renata Saturnino





sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Plante a semente das Possibilidades.

Plante a semente das "possibilidades".

Cuide da terra...
Sinta o cheiro.
Dela nasce a vida;
 a energia que alimenta o planeta.
Surge uma nova era a cada primavera.
Menos triste e mais bela.
Tudo se revela, quando se deseja mudar;
Inovar propagar o novo...
Transforme as experiências em "possibilidades."
Somos capazes, apenas não descobrimos a capacidade de ir mais longe...
Porque muitos se escondem!
Isolados em castelos imaginários.
Solitários e sem cor.
Lá a espera é infinita e dolorida...
A alma grita, enquanto o espírito sente dor...
Manifeste o desejo...
Lute sem medo!
Sigas encorajado, pois fostes criado a semelhança de Deus.
No universo da benevolência celestial...
Eres um ser imortal, perfeito e único...
O criador fez de ti sua obra prima...
Não se reprima, apenas contemple as"possibilidades."
Seja o protagonista dessa história...
Sinta a vitória, a gloria de viver, resplandecer a luz da felicidade.
Cujo o princípio é a simplicidade, que de tão simples: 
É ignorada por muitos.
Sem atitude não existe "possibilidades".
Abra os olhos contemple a natureza.
A grandeza de colher o bem que se planta...
O universo conspira a favor daqueles que semeiam o amor.
Então?
Ame mais!
Cobice menos...
Abrace mais, rejeite menos...
A colheita sagrada é abençoada se for adubada com"amor."
Essa é a razão da perfeição humana.
Esquecida, perdida, deturpada.
Violada pelo egoísmo: onde o "ter" vale mais que o "ser."
Só perdemos aquilo que não aproveitamos.
Extraia a essência das" possibilidades."
Em algum momento essa “porção” se manifesta.
A favor de ti ou daquele que te cerca.
Esqueça os poréns, os porquês e os para quês...
Apenas floreça...
Transforme a semente da perda: em um jardim repleto de"possibilidades".
Esqueça as lembranças que impedem do sol de brilhar na sua vida... Renata Saturnino